TRADUÇÃO DE LITERATURA E CIÊNCIAS HUMANAS NO PAR DE LÍNGUAS FRANCÊS-PORTUGUÊS

SIMPÓSIO - ST84

COORDENADORES

Clarissa Prado Marini (Universidade Federal do Oeste da Bahia)
Kall Lyws Barroso Sales (Universidade Federal de Alagoas)

RESUMO

Na esteira da transdisciplinaridade apresentada como norteadora do congresso da ABRALIC 2021, propomos este simpósio temático visando promover o diálogo entre o estudo de literaturas traduzidas e o estudo de traduções de especialidade nas áreas das ciências humanas. Enquanto podemos pensar num distanciamento entre textos literários e textos de áreas de especialidade, como os textos das diferentes áreas do conhecimento das Ciências Humanas, podemos também aproximar esses dois gêneros de texto. O tradutólogo Antoine Berman (1991) defende que poesia, literatura, filosofia, textos religiosos e grande parte das obras de ciências humanas podem ser consideradas como obras. Segundo o conceito do que Berman chama de “obra”, esta seria classificada como a escrita que não usa a língua como instrumento de comunicação para transmissão de mensagens, mas a considera como o meio de revelação do sujeito, ou seja, a própria linguagem como reveladora do existir humano. As pesquisas dedicadas à tradução de literatura têm grande espaço nos Estudos da Tradução no Brasil e são figuras de proa tanto na elaboração de traduções inéditas, de retraduções e, consequentemente, na circulação do pensamento sobre línguas/culturas, além do diálogo constante com outras áreas das chamadas humanidades. Se entendemos que o objeto das ciências humanas é “o ser expressivo e falante”, pode-se defender que as ciências humanas não têm por objetivo a exatidão do conhecimento, seu objetivo está no campo das descobertas, das revelações, das interações e das comunicações (BAKHTIN, 2017, p. 58). A tradução torna-se, portanto, elemento imprescindível no diálogo entre literaturas, línguas e culturas. Em língua portuguesa, muitas traduções de textos de especialidade têm como fundamento o estudo e a análise literária, pois segundo a reflexão bakhtiniana, a ciência da literatura deve estabelecer um vínculo mais estreito com a história da cultura, pois é parte inseparável dela (BAKHTIN, 2017, p. 11). Assim, um sentido só revela as suas profundezas encontrando o outro, pois, entre eles, há uma relação dialógica que supera o fechamento e a unilateralidade desses sentidos e dessas culturas. Na busca desse outro, a reflexão bakhtiniana dialoga com o entendimento de Berman sobre as traduções, pois, para este, “a essência da tradução é ser abertura, diálogo, mestiçagem, descentralização. Ela é relação, ou não é nada.” (BERMAN, 2012, p. 17). Dentro desta perspectiva dialógica, a tradução de obras teóricas tem grande importância para o desenvolvimento das áreas do conhecimento nacional e internacionalmente. Izidoro Blikstein relata numa entrevista (FERREIRA, 2013), que a tradução de grandes obras da Linguística desempenhou um importante papel na divulgação das teorias linguísticas e acabou por culminar na inauguração dos departamentos de Linguística nas universidades brasileiras, mudando o cenário da grande área de “Letras” para sempre. As traduções de obras francófonas como as de Saussure, Benveniste, Barthes, Greimas, Dubois, traduzidas no Brasil nas décadas de 1960 e 1970, são até hoje basilares na formação dos cursos de Letras. O professor Blikstein comenta, nessa mesma entrevista, que nos cursos de Letras eram desenvolvidos estudos diacrônicos de Filologia Românica e Portuguesa e esse movimento de tradução de grandes linguistas contribuiu para uma “avalanche” da Linguística o que, posteriormente, mudou os currículos universitários no Brasil para acompanhar as mudanças que estavam acontecendo internacionalmente. Além disso, a tradução de obras teóricas nas ciências humanas contribui para a reflexão e recepção das literaturas. É difícil negar, por exemplo, a influência e a relevância do pensamento do teórico russo Mikhail Bakhtin nas mais diversas áreas do conhecimento, filosofia, história, ciências sociais e, principalmente, linguística e literatura. É a partir das traduções de Julia Kristeva que o pensamento bakhtiniano constrói seu complexo diálogo com o Ocidente. Características temáticas ou estilísticas aproximam a literatura das demais áreas das ciências humanas, pois são textos nos quais a linguagem é construída de maneira singular a expressar o pensamento de um sujeito. A respeito desse compartilhamento de características entre textos literários e de ciências humanas, mais especificamente da filosofia, Castro Ramírez (2018) alerta que em ambos, as noções de “autor”, “leitor”, “originalidade”, “criação”, “tradição” (entre outras) têm muita influência tanto na análise desses textos quanto na tradução deles. Tendo como ponto de partida estas complexas relações entre traduções de literatura e de teoria nas ciências humanas, serão acolhidos, neste simpósio, trabalhos a respeito de história da tradução, crítica de tradução ou tradução comentada de textos literários ou textos teóricos de ciências humanas escritos, originalmente, em língua francesa e traduzidos para língua portuguesa ou, no sentido inverso. Serão considerados trabalhos que abordam: 1) textos literários traduzidos, ou em tradução, que construam diálogos com outras áreas das ciências humanas e 2) textos traduzidos, ou em tradução, de diferentes áreas das Ciências Humanas: Teoria Literária, História da Literatura, Linguística, Estudos da Tradução, Filosofia, História, Sociologia, Antropologia, Psicologia, Pedagogia.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BAKHTIN, Mikhail. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Organização, tradução e notas de Paula Pezerra. Rio de Janeiro: Editora 34, 2017. BERMAN, Antoine. Traduction spécialisée et traduction littéraire. Actes du Colloque International. La Tilv éditeur. Paris, 21 et 22/03/1991. BERMAN, Antoine. A prova do estrangeiro: Cultura e tradução na Alemanha romântica. Tradução de Maria Emília Pereira Chanut. Bauru, SP: EDUSC, 2002. CASTRO RAMÍREZ, Nayelli. Traduzir a filosofia para além da filosofia: Assinaturas, acontecimentos, contextos. Tradução de Clarissa Prado Marini e Ana Alethéa Osório. Belas Infiéis, v. 7, n. 2, p. 97-114, 31 dez. 2018. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/18285 . Acesso em: abril de 2021. FERREIRA, Alice Maria de Araújo. Entrevista com Prof. Dr. Izidoro Blikstein. In: Traduzires. Brasília, vol. 2, nº 1, 2013. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/traduzires/article/view/13645 . Acesso em: abril de 2021.

PALAVRAS-CHAVE

Estudos da Tradução; Tradução Literária; Tradução de Ciências Humanas.

PROGRAMAÇÃO

S01 01/09 10h-13h - https://youtu.be/_O5SdeP1W6Q