OUTROS MODERNISMOS

SIMPÓSIO - ST70

COORDENADORES

Giovanna Ferreira Dealtry (Uerj)
Carlos Augusto Bonifácio Leite (UFRGS)

RESUMO

Em julho de 1922, Lima Barreto publica a crônica “O futurismo”, na Revista Careta, após ter recebido de Sérgio Buarque de Hollanda um exemplar da Revista Klaxon. A tentativa de garantir o elogio do autor de Triste Fim de Policarpo Quaresma, um dos poucos admirados pelos jovens modernistas paulistas, não poderia dar mais errado. “Disse cá comigo: esses moços tão estimáveis pensam mesmo que não sabíamos disso de futurismo? Há vinte anos, ou mais, que se fala nisto e não há quem leia a mais ordinária revista francesa ou o pasquim mais ordinário da Itália que não conheça as cabotinagens do “il Marinetti”. O texto de Lima Barreto desnuda algumas concepções consagradas pelo cânone modernista brasileiro. Dentre elas a ideia de que os modernistas paulistas seriam os primeiros responsáveis pela ponte com as vanguardas europeias ou que os artistas das primeiras décadas do século XX dividiam-se em grupos homogêneos contra ou a favor da tradição beletrista. Outro episódio envolvendo os amigos Ribeiro Couto e Manuel Bandeira revela as imbricações do período. Apesar de reconhecer a dívida para com os modernistas paulistas, Bandeira, em Itinerário de Pasárgada, explica os motivos pelos quais nem ele ou Ribeiro Couto participaram da Semana de Arte Moderna: “Nunca atacamos publicamente os mestres parnasianos e simbolistas, nunca repudiamos o soneto nem, de um modo geral, os versos metrificados e rimados”. Mais recentemente, mesmo em versão menos acadêmica, Ruy Castro dá notícia da efervescência moderna que ocorria na cidade do Rio de Janeiro das primeiras décadas do século XX em Metrópole à beira-mar. Os episódios brevemente relatados revelam a complexidade da vida literária no período, como também apontam para uma diversidade da compreensão da modernidade e de modernismos, nem sempre atendendo à conceituação formal, europeizante, de movimento. Ou seja, para além de uma pretensa hierarquização entre poetas, ficcionistas, ensaístas, artistas no sentido amplo, cabe pensar, a partir da contemporaneidade, como esses sujeitos e obras colocados à margem durante décadas são imprescindíveis para a constituição de uma nova compreensão estética, temática e ética da modernidade brasileira. A partir desse cenário, a proposta central do GT Outros modernismos é provocar o debate teórico e crítico acerca da conceituação dos termos “modernismo” e “modernidade” na literatura e nas demais artes brasileiras, tendo como arco temporal o final do século XIX até a década de 1930. Partimos do princípio de que a construção canônica do movimento modernista ofuscou as inovações e rupturas estéticas e temáticas de escritores e escritoras, compositores e compositoras, fora da década de 20 e da cidade de São Paulo. Sob rubricas generalizantes, como “pré-modernismo”, por exemplo, opera-se o esvaziamento inovador de obras diversas, como as de Gilka Machado, Lima Barreto, Joaquim Inojosa, Julia Lopes de Almeida, João do Rio, Patrícia Galvão, entre outras. Ao mesmo tempo, sob duvidoso recorte geracional, integram-se obras e escritores que reservam notáveis tensões em relação ao modernismo paulista, como Bandeira, Drummond, Jorge Amado, Graciliano Ramos etc., mas que tem suas diferenças apagadas em relação ao grupo dos cinco ou ao amplo conceito de “modernismo”. Assim, muitas vezes, os elos em comum parecem se sobrepor reforçando uma “identidade moderna” nascida em São Paula e espraiada para o resto do país. Em paralelo, também é possível observar como o ensaísmo de Gilberto Freyre e Manuel Bonfim, ilustrativamente, oferecem novas perspectivas sobre o modernismo fora do eixo Rio-São Paulo. Nesse sentido, serão bem-vindas comunicações: a) que abordem temas identificados com a modernidade desse período, em geral, ligados à metrópole, como a importância de novas tecnologias, a imprensa ágil, a multidão, a flânerie, o cinema, os cafés, os grupos de trabalhadores ou minoritários (negros, indígenas, homossexuais, mulheres, imigrantes); b) Que sejam (e/ou se postulem como) vanguarda, isto é, que apresentem uma posição de rompimento, diferenciação em relação a algum movimento estético ou instituição (real-naturalismo, parnasianismo, academicismo etc.), ou uma movimentação pela novidade, pelo “ir adiante” em termos estéticos e/ou de representação; c) Que recuperem a importância de outros núcleos modernos, como Cataguazes, Porto Alegre, Recife, Belo Horizonte etc.; d) Que releiam a partir da ótica crítica da contemporaneidade o modernismo paulista; e) Que apresentem análises sobre a vida literária e cultural do período e novas sociabilidades e subjetividades modernizantes. Nesse cenário, Monica Pimenta Velloso (1996), Renato Cordeiro Gomes (2008) e Carmem Lucia Negreiros de Figueiredo (2016), entre diversos trabalhos e estudiosos, demonstram como as relações entre metrópole, novas tecnologias, camadas marginalizadas, vida cultural e criação estética entrecruzam-se no início do século XX.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BANDEIRA, Manuel. Itinerário de Pasárgada [7ª ed.]. São Paulo: Global, 2019. BARRETO, Lima. “O futurismo”, in _______. Toda crônica, v.2; apresentação e notas de Beatriz Resende e Rachel Valença. Rio de Janeiro: Agir, 2004. CASTRO, Ruy. Metrópole à beira-mar: o Rio moderno dos anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. FIGUEIREDO, Carmem Lúcia Negreiros de. “Vivência urbana e experiência estética em narrativas da Belle Époque. p. 267-292. In Belle Époque – crítica, arte e cultura. (orgs. Negreiros, Carmem et alli). São Paulo: Intermeios, 2016 GOMES, Renato Cordeiro. Todas as cidades, a cidade: literatura e experiência urbana. São Paulo: Rocco, 2008. VELLOSO, Mônica Pimenta. Modernismo no Rio de Janeiro: turunas e quixotes. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

PALAVRAS-CHAVE

modernidade; vida literária e cultural; crítica ao cânone; outros modernismos.

PROGRAMAÇÃO

S01 20/09 14h-16h - https://youtu.be/H-fV-k66j8s

S02 21/09 14h-16h - https://youtu.be/WyolphGxgks

S03 27/09 14h-17h - https://youtu.be/6-edVvx_cq0

S04 28/09 14h-17h - https://youtu.be/ZkQgcmo2bYg