OBRAS DE MACHADO DE ASSIS: DO CONTEXTO DA PRODUÇÃO A MANIFESTAÇÕES SOBRE SUA RECEPÇÃO

SIMPÓSIO - ST68

COORDENADORES

Juracy Ignez Assmann Saraiva (Universidade Feevale)
Paul Dixon (Purdue University)

RESUMO

O texto literário é um cronótopo que sintetiza o momento de sua produção e que, por suas virtualidades semânticas, se expande em leituras múltiplas nos variados momentos de sua recepção. Nele cruzam-se tempos e espaços, desenha-se a vida social, reconstituem-se eventos, inscrevem-se múltiplos outros textos, mesclam-se interpretações para constituir uma totalidade, na qual se revela a função da literatura. Agente responsável pela ativação dos sentidos do texto, o leitor instala a ruptura dessa totalidade, mas também a recompõe por meio de sua atividade hermenêutica, com a qual busca conferir respostas às reflexões e indagações que o diálogo, instaurado pelo texto, promove. Machado de Assis, observador perspicaz, analisou a sociedade fluminense e a recriou em seus textos ficcionais, poéticos, dramáticos e ensaísticos, neles infiltrando sua crítica sobre comportamentos humanos e neles expressando suas convicções éticas e estéticas. Analisados e interpretados, hábitos e costumes da vida cotidiana, grupos sociais e tipos humanos, formas de lazer e de integração coletiva, espaços públicos e privados, manifestações artísticas e populares, acontecimentos históricos remetem ao contexto do Segundo Império, que ganha contornos de realidade. Consequentemente, as obras de Machado redesenham o contexto de sua produção, ao mesmo tempo em que compõem um jogo de espelhos, no qual o objeto representado e sua representação compelem o leitor a assumir um posicionamento crítico-interpretativo. Paralelamente à transposição do contexto cultural e a ele interligado, Machado de Assis instala, em seus textos, um espaço de reflexão sobre a arte em geral e sobre a literatura em particular, que também concorre para dar forma a posicionamentos críticos do escritor sobre o fenômeno artístico, os quais incidem sobre o ato de criação do texto e sobre o de sua recepção. A análise de ambas as dimensões, a da sociedade e a do sistema artístico, integra, assim, o momento da recepção do texto ao de sua produção e contribui para a apreensão de sentidos, inscritos na textualidade, e para a elucidação de aspectos da poética machadiana. O presente simpósio visa a discutir o posicionamento crítico que Machado de Assis expressa em suas obras tanto em relação à sociedade brasileira quanto em relação ao fazer artístico. Orientado pela interdisciplinaridade, o simpósio acolhe comunicações que refletem sobre a obra machadiana enquanto processo de representação que se posiciona criticamente sobre o contexto social, histórico e cultural e sobre o próprio sistema artístico, em especial, o literário. O simpósio abre-se, portanto, para estudos de base sociocultural, filosófica, comparatista, poética e narratológica, entre outras, valorizando, também, pesquisas que tratem dos processos de recepção da obra do escritor brasileiro. A pluralidade de enfoques enseja que sejam elucidados, nos corpora selecionados para análise, reflexões que Machado de Assis realiza sobre circunstâncias humanas e sobre o fazer artístico da cultura de que faz parte. A partir desse eixo central, as comunicações podem optar, como corpus de análise, pelo romance, pelo conto, pelo teatro, pela poesia, pela crônica, pela crítica, pela ensaística e pela correspondência machadianas. Dessa forma, entre outros aspectos, elas podem tratar da produção metafórica e alegórica que, frequentemente, tematiza aspectos históricos, na obra do escritor; podem restabelecer diálogos de textos machadianos com outros textos literários e com elementos do teatro lírico e dramático, da música e da dança, das artes visuais, da arquitetura e da geografia, de todas as artes e ofícios que o escritor incorpora às suas criações; podem deter-se nas manifestações do cotidiano e em elementos da cultura popular que o olhar do escritor privilegia; podem enfocar as crônicas como espaço de denúncia social ou de avaliação de eventos culturais. A crítica que se inscreve nos textos, a partir da qual Machado compõe a ficcionalização de uma teoria do fazer poético, também tem lugar no âmbito do simpósio, que abrange, igualmente, os vínculos entre Machado e o público leitor do Rio de Janeiro da segunda metade do século XIX e da primeira década do século XX. Além disso, devido à relevância que a obra machadiana deve ocupar na formação dos brasileiros, acolhem-se, igualmente, comunicações que tematizem sua leitura em ambientes formais e não formais de ensino e aprendizagem. Em síntese, o simpósio objetiva contribuir para a divulgação de estudos que exploram a obra de Machado de Assis em sua relação com o contexto de sua produção e de sua recepção e que, por extensão, ressaltam sua importância e a necessidade de sua atualização no âmbito acadêmico e no sistema educacional brasileiro.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PALAVRAS-CHAVE

Machado de Assis; Sociedade brasileira; Ficção; História; Poética; Crítica.

PROGRAMAÇÃO

S01 29/09 09h-12h - https://youtu.be/3ZifhTZ0pik

S02 29/09 14h-20h - https://youtu.be/LPIdsDsvbgc

S03 30/09 09h-12h - https://youtu.be/cmDCgNAz_k0

S04 30/09 14h-20h - https://youtu.be/ccSBIspSrjU