Uma análise literária da crítica à corrupção eclesiástica em contextos culturais florentinos no "Inferno", de Dante Alighieri

PÔSTER - XVIII Encontro ABRALIC

Giovanna de Campos Mauro

ORIENTAÇÃO: Prof. Dr. Giacomo Comiati

RESUMOS: A disputa entre a autoridade secular e a eclesiástica permeia todas as três "cantiche" da "Divina Comédia". Na obra de Dante Alighieri, a corrupção do alto clero é condenada desde o início do "Inferno" até o fim do "Paraíso". O presente trabalho, parte da pesquisa "Chiesa e Impero, Politica e Religione: un'analisi della corruzione della Chiesa e del papato nella Commedia di Dante Alighieri", possui como objetivo analisar a presença das críticas à corrupção eclesiástica no canto XIX do "Inferno", no qual Dante e Virgílio atravessam a terceira "bolgia" do oitavo círculo, local em que os simoníacos, aqueles que vendiam objetivos sagrados (SERMONTI, 2007, p. 345-346) e favores espirituais, são punidos e colocados de cabeça para baixo dentro de buracos em chamas (v. 1-30). Os poetas decidem conversar com o papa Nicolau III e ouvem a profecia da condenação de Bonifácio VIII e Clemente V (v. 52-87). Giovanni Gaetano Orsini, que ascendeu ao papado com o nome de Nicolau III em 1277, é motivo das acusações de Dante principalmente devido às suas atitudes simoníacas e ao favoritismo para com sua família, importantes defensores de Bonifácio VIII (SERMONTI, 2007, p. 354-355). Bonifácio, nomeado pela primeira vez no canto por Nicolau (v. 53), foi papa entre os anos de 1294 e 1303. A política expansionista de Bonifácio VIII e a sua ideologia sobre a supremacia da Igreja serão alvos das duras críticas de Dante, presentes no canto XIX, mas não restritas à ele. As imagens do contrapasso dantesco sobre a simonia e da figura de Bonifácio VIII, importante figura para a compreensão da visão do poeta sobre as relações entre o Império e a Igreja na época, serão analisadas pelo presente trabalho, bem como as razões pessoais e morais de Dante para a condenação de Bonifácio. Pretendo demonstrar como "o papel de Bonifácio na política florentina e no próprio exílio do poeta seriam os responsáveis pela animosidade de Dante em relação à figura histórica do líder da Igreja"  (FERRANTE, 2016, p.

PALAVRAS-CHAVE: corrupção eclesiástica, Dante Alighieri, idade média, Divina Comédia.

REFERÊNCIAS: ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia: Inferno. Trad. Ítalo Eugênio Mauro. Texto: Prefácio. Ítalo Eugênio Mauro. São Paulo: Ed. 34, 1998. FERRANTE, Joan. The political vision of the “Divine Comedy”.  Princeton: Princeton University Press,  2016. SERMONTI, Vittorio. L'Inferno di Dante. Milano: BUR Saggistica, 2001.