Voz e gesto e performance na segunda canção do Kojiki

PÔSTER - XVII Congresso Internacional ABRALIC

Bruno Costa Zitto

ORIENTAÇÃO: Andrei dos Santos Cunha

RESUMOS: Por meio deste trabalho, procuro no Kojiki (712) elementos formais que mais ilustrem a sua aparente preocupação com emular aspectos de vocalidade e performance no texto escrito. Na sua primeira função de divulgar os ideais absolutistas da casa imperial japonesa, a obra se propunha a justificar a soberania dos Yamato sobre o Japão por meio de argumentos essencialmente teocráticos, alegando que os membros da dinastia seriam todos descendentes dos maiores deuses do panteão xintoísta. Com vistas a conferir uma maior autoridade para a sua argumentação, o compilador do Kojiki se empenhou em reproduzir elementos da retórica oral comumente praticada pelas maiores religiões do seu tempo, como o budismo (HELDT, 2014) e o xintoísmo. Na antiguidade, esta última religião reconhecia na sua linguagem ritual o fenômeno do kotodama (??, ou “alma da palavra”), que supunha uma completa identidade entre o significante sagrado e o seu referente (ANTONI, 2012), conceito talvez influente na maneira como o compilador do Kojiki utilizou as letras chinesas para grafar nomes divinos, rituais religiosos e canções tradicionais (KEENE, 1999). Para melhor pensar sobre as presenças de voz e gesto ritual na poesia do Kojiki, busquei auxílio nas reflexões sobre performance e poética trabalhadas por Zumthor (2014), citando a segunda canção-poema da obra como exemplo ilustrativo das questões aqui levantadas.

PALAVRAS-CHAVE: performance; literatura japonesa; Kojiki.

REFERÊNCIAS: ANTONI, Klaus. Kotodama and the Kojiki: the Japanese “word soul” between mythology, spiritual magic, and political ideology. Beiträge des Arbeitskreises Japanische Religionen, v. 4, p. 1–13, 2012. KEENE, Donald. The Kojiki. Seeds in the heart. Nova Iorque: Columbia University Press, p. 33–61, 1999. Ô, Yasumaro. Kojiki. Edição e tradução: Kônoshi Takamitsu. Tóquio: Shôgakukan, 1998. Ô, Yasumaro. Kojiki. Tradução: Donald Philippi. Tóquio: University of Tokyo Press, 1968. Ô, Yasumaro. The Kojiki. Tradução: Gustav Heldt. Nova Iorque: Columbia University Press, 2014. ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução: Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2014.