Entre mulheres e rainhas: leituras de O Alegre Canto da Perdiz de Paulina Chiziane

PÔSTER - XVII Congresso Internacional ABRALIC

Letícia Alves Franzini

ORIENTAÇÃO: Prof. Dr. Daniel Marinho Laks

RESUMOS: A presente proposta tem como objetivo geral analisar o modo como a representação feminina na obra O Alegre Canto da Perdiz, de Paulina Chiziane, promove uma encenação do espaço moçambicano a partir de sua heterogeneidade e das questões resultantes tanto do período de dominação colonial do país quanto as consequentes do seu processo de independência. Para isso, faremos uma análise focada nas personagens femininas Delfina, Maria das Dores e Maria Jacinta. A primeira será pensada a partir da sua relação com as rainhas da mitologia matriarcal trazidas pela autora no decorrer da obra. Essa relação será analisada a partir das propostas de Paulina Chiziane em seu livro de ensaios Eu, mulher… Por uma nova visão de mundo, publicado em 2018. Além de sua relação com essas rainhas, Delfina também será entendida a partir da sua busca pela mestiçagem e o modo como essa promove todas as questões subsequentes na obra. As personagens Maria das Dores e Maria Jacinta são entendidas aqui a partir de dois fatores que decorrem da busca de sua mãe, Delfina, pelo poder e ascensão social. Maria das Dores será analisada a partir da teoria do insílio, proposta pelo pesquisador Nazir Ahmed Can em seu livro O campo literário moçambicano: Tradução do espaço e formas de insílio, publicado em 2020. E Maria Jacinta, por sua vez, será pensada a partir da temática da mestiçagem e o ponto de vista do mestiço na sociedade moçambicana. Assim, buscamos entender o modo como a união dessas temáticas promove uma representação mais completa do espaço moçambicano, salientando a heterogeneidade do país e trazendo à tona problemas e visões acerca deles que foram silenciadas ao longo do tempo.

PALAVRAS-CHAVE: Paulina Chiziane; mestiçagem; insílio; mitologias matriarcais; Moçambique.

REFERÊNCIAS: CAN, Nazir Ahmed. O campo literário moçambicano: Tradução do espaço e formas de insílio. São Paulo: Editora Kapulana, 2020. CHIZIANE, Paulina. Eu, mulher... por uma nova visão de mundo. Belo Horizonte: Nandyala, 2018. CHIZIANE, Paulina. O alegre canto da perdiz. Porto Alegre: Dublinense, 2018.