As violências cruzadas em "Os olhos verdes de Esmeralda" de Miriam Alves.

PÔSTER - XVII Congresso Internacional ABRALIC

TALITA SANTOS PANTALEAO DA SILVA

ORIENTAÇÃO: Gabriela Semensato Ferreira

RESUMOS: Miriam Aparecida Alves nasceu em São Paulo em 1952 e integrou o coletivo quilombhoje, foi a partir desse coletivo que começou a escrever nos Cadernos Negros em 1982. Sua escrita aborda os dilemas da negritude em situações cotidianas, sem uso dos estereótipos construídos em cima de corpos negros, colocando - os em posições humanizadas. Apesar de ser uma escritora contemporânea, ela compõe o grupo de escritoras brasileiras que foram apagadas da história da literatura e vêm sendo redescobertas por pesquisadores. No intuito de contribuir com esse resgate, os alunos de Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) criaram um projeto de ensino chamado “(Re)conhecendo as mulheres da literatura brasileira: um resgate das escritoras apagadas da história", coordenado pelo prof Dr. Alfeu Sparemberger e orientado pela Profª Dra. Gabriela Semensato. Um espaço de leitura e discussão de obras literárias brasileiras escritas por mulheres, em especial aquelas deixadas de lado pela nossa historiografia oficial. Após a seleção de texto de autoras, foram realizados encontros remotos e semanais durante o primeiro semestre de 2020 voltados para a comunidade acadêmica. Um desses encontros foi direcionado à leitura do conto “Os olhos verdes de Esmeralda” de Miriam Alves, publicado na antologia Olhos de Azeviche (2017). O objetivo dessa pesquisa é demonstrar que as violências nunca se apresentam sozinhas e de forma repentina, com o foco nas violências de gênero, lesbofóbica, racial, exemplificar como elas se cruzam e se somatizam no decorrer da narrativa. Basiei - me na tese “Intelectuais negras: Prosa negro-brasileira contemporânea” de Miriam Cristina dos Santos (2018) e na lei nº 11.340 ”Lei Maria da Penha”.

PALAVRAS-CHAVE: literatura feminina brasileira; escritoras negras; Miriam Alves.

REFERÊNCIAS: Brasil. Lei Maria da Penha (2006).Lei Maria da Penha e normas correlatas. – Brasília : Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2019. 95 p. SANTOS, Mirian Cristina dos. “Intelectuais Negras : Prosa negro-brasileira contemporânea”. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Letras. Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários, 2018. AMARO, Vagner (Org.). Olhos de azeviche: dez escritoras negras que estão renovando a literatura brasileira - São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 2019.