Restituição e denúncia em K.

PÔSTER - XVII Congresso Internacional ABRALIC

Lucas Marciel Schuster

ORIENTAÇÃO: Luciana Paiva Coronel

RESUMOS: O livro K.: relato de uma busca, escrito por Bernardo Kucinski (2011), ficcionaliza a história do desaparecimento de sua irmã, Ana Rosa, e de seu cunhado, Wilson Silva, durante o período da Ditadura Civil-Militar no Brasil (1964-1985). A narração é realizada através de diversas vozes que vão alterando a busca do pai pela sua filha à medida que incidem na composição do romance. Tendo em vista os aspectos referidos acerca da obra, esta pesquisa bibliográfica busca investigar a denúncia e a restituição presentes no livro K. Como a narração apresenta-se no tempo presente, as situações são expostas “[...] enquanto elas se dão, o que dá mais vitalidade à narrativa”, conforme cita Eurídice Figueiredo (2007, p. 143). Em consonância, o crítico Roberto Vecchi (2014, p. 144) explica que ao deixar que os aspectos de uma memória reprimida venham à tona, a escrita "[...] aciona um dispositivo de reparação, como se depreende na denúncia não dos responsáveis dos crimes mas da sociedade que os treinou e os protegeu e que ainda conserva ativa [...] a prática da violência de estado contra inermes cuja destruição foi lucidamente planejada." Portanto, K.: relato de uma busca realiza um resgate do passado para repará-lo e recompô-lo através da ficção, conformando um kaddish, uma prece em memória da irmã desaparecida, e uma denúncia à violência praticada por todo o sistema ditatorial brasileiro.

PALAVRAS-CHAVE: literatura; ditadura; restituição; K.

REFERÊNCIAS: FIGUEIREDO, Eurídice. A literatura como arquivo da ditadura brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007. KUCINSKI, Bernardo. K.: relato de uma busca. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. VECCHI, Roberto. O passado subtraído da desaparição forçada: Araguaia como palimpsesto. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 43, p. 133-149, jan./jun. 2014.