Transitar pela cidade, transitar pela memória: a experiência urbana em Enquanto os Dentes, de Carlos Eduardo Pereira

PÔSTER - XVII Congresso Internacional ABRALIC

Santinie Estevão Soares dos Santos Antonio

ORIENTAÇÃO: Giovanna Dealtry

RESUMOS: Flashes, caminhos, trajetos e memórias. O livro Enquanto os Dentes (2017), de Carlos Eduardo Pereira, apresenta Antônio, um personagem que, em sua cadeira de rodas, trilha um caminho de retorno à sua memória enquanto está no percurso de volta para a casa de seus pais. Em uma narrativa em terceira pessoa, que descreve de maneira atenta e crítica o espaço e os acontecimentos da cidade, é possível analisar a experiência urbana do sujeito cadeirante, além de sua relação com os pais a partir de conflitos que o perpassam por ser também negro e LGBT+. Acompanha-se também na narrativa um teor de crítica social, que evidencia questões daqueles que são “o imprevisto e o não desejado da cidade, o que se quer apagar, afastar, desalojar, transferir, transportar, tornar invisível.” (SARLO, 2014). A estrutura do livro acompanha esse fluxo contínuo do percurso do personagem, sem divisão de capítulos ou seções, com parágrafos longos e descritivos. A narrativa propicia a análise da relação entre experiência urbana e memória, a partir das vivências do eu, que consistem numa sequência de rupturas e descontinuidades. (GOMES, 1994). Assim, o retorno do personagem para a casa dos pais se cruza com passagens de momentos já vividos, relembrados pelos locais por onde Antônio passa, remontando uma fragmentação dessa memória diluída no trajeto pela cidade.

PALAVRAS-CHAVE: experiência urbana; memória. pessoa com deficiência.

REFERÊNCIAS: GOMES, Renato Cordeiro. Todas as cidades, a cidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. PEREIRA, Carlos Eduardo. Enquanto os dentes. Rio de Janeiro: Todavia, 2017. SARLO, Beatriz. A cidade vista. Mercadoria e cultura urbana. Trad. Monica Stahel. São Paulo: Martins Fonte, 2014.