Escritoras russas e soviéticas

MINICURSO

Ministrantes: Cecília Rosas e Giuliana Almeida
Carga horária: 4 horas e 30 minutos
Datas: 23, 25 e 27 de agosto, das 16h às 17h30

Resumo do minicurso: A literatura russa está repleta de personagens femininas inesquecíveis como, por exemplo, Anna Kariênina ou Nastássia Filíppovna, fruto da pena de escritores homens. Quando Tolstói e Dostoiévski publicaram as suas obras, poucas eram as mulheres que conseguiam escrever e oferecer ao público os seus escritos. Entretanto, desde a segunda metade do século XVIII as mulheres ocupam e esfera pública da escrita antes reservada apenas aos homens, e é interessante atentar para o fato de que no nosso tempo, graças a nomes como Svetlana Aleksiévitch e Liudmila Petruchévskaia, elas se tornaram o carro chefe dos lançamentos da literatura russa contemporânea no Brasil.

O objetivo deste curso é apresentar um panorama histórico da presença das mulheres na literatura russa desde meados do século XVIII, apontando as conexões entre o contexto histórico e o florescimento da literatura escrita por elas. Assim, discutiremos, entre outros, o movimento pela emancipação feminina que surge na segunda metade do século XIX e que, impulsionado pelo Populismo russo, resultou num aumento expressivo da ficção escrita por mulheres; a contradição que a revolução de 1917 representou para a literatura feita por elas e o total engessamento ao qual essas mulheres foram submetidas durante o stalinismo, quando Stálin decretou que a questão feminina já estava resolvida; o papel significativo das mulheres na desestalinização da literatura após 1953 e, por fim, a literatura russa contemporânea, capitaneada por escritoras reconhecidas internacionalmente como a laureada pelo Nobel Svetlana Aleksiévitch.

Minibiografia das ministrantes:

Cecília Rosas é tradutora, editora e professora, com mestrado e doutorado em Literatura e Cultura Russa pela Universidade de São Paulo. Trabalhou como editora assistente na Editora 34. Atualmente se dedica à tradução literária e leciona cursos livres sobre literatura russa. Fez parte da revista Geni e hoje integra o Coletivo Sycorax, que traduz e debate autoras feministas. Como integrante do coletivo, participou da tradução de Calibã e a bruxa e O ponto zero da revolução, de Silvia Federici (Elefante, 2017 e 2019).

Tem traduções publicadas de, entre outros autores, Aleksandr Púchkin, Fiódor Dostoiévski e Varlam Chalámov. Entre suas traduções mais recentes estão Viagem sentimental, de Viktor Chklóvski (Editora 34, 2018); A guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Aleksiévitch (Companhia das Letras, 2016); Era uma vez uma mulher que tentou matar o bebê da vizinha, menção honrosa no Prêmio Boris Schnaiderman da ABRALIC em 2019, e A menininha do Hotel Metropol, ambos de Liudmila Petruchévskaia (Companhia das Letras, 2018 e 2020).

Giuliana Teixeira de Almeida é bacharel em História (USP). Doutora e mestre em Literatura e Cultura Russa pela FFLCH/USP, autora da dissertação de mestrado "Pelo prisma biográfico: Joseph Frank e Dostoiévski" e da tese de doutoramento "A Rússia na encruzilhada autobiográfica: Passado e Pensamentos de Aleksandr Herzen". Foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) durante o mestrado e o doutorado sob a orientação do Prof. Dr. Bruno Gomide. Realizou estágio de pesquisa na Universidade de Berkeley, Califórnia, durante o mestrado e estágio doutoral na Universidade Queen Mary de Londres. Atualmente é pesquisadora e sua pesquisa concentra-se na história cultural russa oitocentista, nas escritas (auto)biográficas e nos pontos de contato entre História e Literatura. Já ministrou cursos livres em diversos espaços culturais, como SESC-SP e Tapera Taperá. É autora do livro Pelo Prisma Biográfico, Joseph Frank e Dostoiévski (Editora Desconcertos) e de diversos artigos científicos sobre literatura russa, escrita (auto)biográfica e história da Rússia.